Por Menos Radicalismo e Mais Maternidade

Ontem li um texto na página do facebook da jornalista Patricia Maldonado que me chamou muito a atenção. A principio ri muito, mas depois me coloquei a pensar em quantas mães ainda passam por isso!

O título do texto é: Sobre ser uma péssima mãe… a autora relata o martírio que é participar de alguns grupos de mães do facebook e do peso que isso trás… das regras que são ditadas nesses grupos, de mães que mais parecem ativistas radicais a mães querendo trocar ideias e tirar dúvidas…

Confesso que já fui bem radical com a alimentação do João… ainda preciso melhorar, mas quando acompanhava muitos desses grupos comecei a ficar paranoica com a alimentação dele e o peso de ter que fazer tudo em casa me consumia… Não posso comprar um bolo na padaria, não posso dar bisnaguinha, iogurte só feito em casa e com fruta orgânica… morango que não é orgânico?? meu Deus, nem em sonho… Perdeu a hora? Melhor que a criança não vá a aula, porque fazer um lanche com tudo industrializado é um acinte!

Até que um dia, no ano passado, fui buscar o João na escola e a professora veio me contar que ele tinha pegado a bisnaguinha da colega na hora do lanche. Na época, João tinha alergia a milho e derivados e a professora veio me avisar para que eu ficasse de olho, já que a reação alérgica acontecia cerca de 10h depois da ingestão.

Nesse dia saí da escola pensando no que estava fazendo com ele… e comigo…

João se alimenta bem, come de tudo. As vezes ranheta um pouco, mas come. Não tem porque não liberar algumas coisas pra ele… A partir desse dia, tirei um peso das costas e saí de vários grupos maternos no facebook, aqueles onde pregam que vc precisa acordar as 5h da manhã, preparar o lanche do seu filho em casa e tem que ter carinhas e bichinhos, caso contrário vc não é uma boa mãe. Parece uma competição pra saber quem se anula mais em prol do filho…  A maternidade por si só já nos traz tantas culpas e remorsos… não precisamos de mais isso.

Decidi ser uma mãe normal e criar meu filho fora da redoma.

Isso não quer dizer que o João come chocolate todo dia, almoça fast food e janta pizza… estou dizendo que hoje há equilíbrio. Faço com ele muito do que fizeram comigo durante minha infância: doces e guloseimas ficam para o final de semana. Durante a semana é comida normal, arroz, feijão, legumes, verdura, carne, fruta, suco… e nos finais de semana damos as nossas escapadas com pizza, lanchinho…

Claro que tem algumas coisas que o João ainda não consome: refrigerante, balas, chicletes, biscoito recheado. Acho que ainda é cedo. Mas já não condeno quem dá… Hoje consigo lidar numa boa com isso… Me libertei da culpa e da intolerância, que é mais importante.

Algumas coisas não consumimos aqui em casa, como alguns sucos de caixinha, bolacha recheada, alguns iogurtes… enfim, coisas que não vemos sentido em comer. Então o João também não come.

Ah, mas e se alguém der isso para o João? Uma vez só? Garanto que já não vou sair correndo e gritando como faria antes… Vou deixá-lo comer e, dependendo de quem deu, vou explicar que ainda não dou esse tipo de coisa ao João. Pronto…

Já tem quase 1 ano que mudei de comportamento e quer saber? Não me arrependo não… meu filho continua saudável e acho que mais feliz! Afinal, nunca mais fui informada de “roubos” na hora do lanche kkkkk….

Quanto a saúde do João? Vai bem obrigada! Fizemos exames recentes e tudo está no lugar, graças a Deus!

Se vc curte fazer o lanche todo em casa, cheio de mimos, não leve a mal esse texto. Acho que enquanto é prazeroso está valendo! Só não compactuo com mães que sofrem por ter que manter essa atitude para serem aceitas… Não precisamos disso…

 

Autor: Deia Tomaz

Casada, mãe de 1, gestora e produtora de conteúdo dos blogs SeEUfizVCfaz e Igual Lá Em Casa

Participe!! Comente aqui!